Erasmus Mundus: tire suas dúvidas - Partiu Intercâmbio

O programa Erasmus Mundus oferece muuuitas bolsas para fazer mestrado na Europa dentro do programa Erasmus+. Neste programa, os selecionados cursam mestrados nas mais diversas áreas do conhecimento em, pelo menos, dois países diferentes. As bolsas cobre todos os custos como o curso, moradia, deslocamento e seguro-saúde.

Bolsas de mestrado

Para tirar dúvidas de vocês sobre os programas Erasmus Mundus e as bolsas para mestrado, conversamos com brasileiros alunos de diferentes áreas. O papo rolou ao vivo no YouTube do Partiu Intercâmbio em 5 de fevereiro. Nós fazemos transmissões para tirar dúvidas com bastante frequência para não perder nenhuma é só assinar o canal para receber notificação.

Requisitos das bolsas Erasmus Mundus

O programa Erasmus Mundus oferece as bolsas para mestrado na modalidade Erasmus+. Os cursos oferecidos são os mais variados: literatura, química, engenharia, jornalismo, cinema, saúde. Cada programa tem seus requisitos específicos, por isso, é muito importante ler muito atentamente o edital para não cometer nenhum erro. Vocês podem ver todos os editais do programa Erasmus neste post do Partiu Intercâmbio. Também já conversamos com bolsistas do programa de Migração e Relações Interculturais (EMMIR) e do programa de Jornalismo. De uma maneira geral, para se candidatar para as bolsas Erasmus Mundus para mestrado é necessário

  • Ter proficiência em inglês comprovada (na maioria dos cursos)
  • Não ter terminado a última formação há mais de cinco anos (isso também varia de edital para edital)
  • Ter graduação completa (no geral, ela precisa ser na área do curso pretendido)
  • Não estar morando na Europa há mais de 15 meses até o início do curso (para concorrer às bolsas)

Brasileiros que tenham dupla cidadania (de algum país da Europa, no caso) podem optar se querem aplicar para o programa Erasmus Mundus como brasileiros ou como europeus e isso deve ser informado no próprio application.

>> Precisa ter 10 em tudo para ganhar bolsa de estudos?

Dicas dos alunos dos cursos Erasmus Mundus

1 – Leia o edital mil vezes

Na nossa conversa com os brasileiros que fazem mestrados do Erasmus Mundus deu pra perceber que a seleção pode variar MUITO de um programa pra outro. Uns programas fazem entrevistas com os finalistas, outros não. Uns programas aceitam receber as provas de proficiência depois do prazo, outros não. Caso você não tenha certeza sobre alguma parte do processo, entre em contato com os coordenadores dos cursos e pergunte. As coisas podem mudar bastante de um ano para o outro e as seleções tem critérios bem variados. Além disso, dá pra pedir ajuda no grupo Erasmus Mundus Brasil no Facebook.

>> Como ganhar uma bolsa para fazer intercâmbio

2 – Preste atenção na documentação

Neste post sobre como fazer pós-graduação no Exterior, já expliquei que alguns documentos são básicos para candidatura para mestrados fora do Brasil. De modo geral, os cursos Erasmus Mundus exigem a documentação básica: diploma e histórico escolar com traduzidos e apostilados, cartas de recomendação profissionais ou acadêmicas, carta de motivação, proficiência em inglês (alguns cursos pedem proficiência em outros idiomas). Além deste básico, muitos cursos Erasmus também pedem um certificado de residência e deixam muita gente nervosa no que enviar. Há relatos de diversos bolsistas que conseguiram uma declaração de residência em postos de saúde. Outros enviaram apenas uma declaração de próprio punho autenticada em cartório dizendo que moram no Brasil. Antes de se desesperar, a dica é entrar em contato com a coordenação do

3- Entenda o perfil do curso escolhido

Não deve ter nada pior que achar que você está indo fazer um curso mega prático e acabar num mestrado super acadêmico. Por conta disso, invista bastante tempo em ler sobre os programas do consórcio Erasmus Mundus que interessam você. Faça perguntas para coordenação do curso por email e converse com brasileiros que fizeram os cursos que te interessam (só leia o edital antes e não faça pergunta que tá respondida no edital, né, povo, do tipo “como me inscrevo”). A Tainá, por exemplo, explicou que quem vai pro Choreomundus achando que vai dançar loucamente se decepciona, já no EPOG, a Luísa explicou que não rola muito incentivo (ou oportunidade) pra estágio e o 4Cities, no seu modelo clássico, é bem teórico e agrada mais quem quer seguir pra um doutorado depois. Então, fique ligado e SE INFORME.

>>> Como ser aceito para estudar em Yale

4- Esteja pronto para passar perrengue

Na teoria, essa história de fazer um mestrado nômade, em que você muda de país, pelo menos, duas vezes durante o curso, pode parecer muito legal. Na prática isso pode trazer diversos problemas que ninguém considera antes de escolher um curso desses: dificuldade para conseguir os vistos, problemas para encontrar moradia, pouco tempo para adaptação na nova cidade/universidade. Já conversei com muitos alunos dos mais diferentes programas Erasmus Mundus e alguns programas são mais organizados do que os outros, no entanto, a parte de se virar para encontrar casa ou resolver visto fica sempre a cargo dos estudantes. A Luísa, que é bolsista do EPOG, por exemplo, perdeu uma passagem para passar o fim de ano no Brasil por atrasos nos vistos na França e não teve muito o fazer além de se conformar.

>>> A verdade sobre se mudar toda hora

Então, ao escolher um curso Erasmus Mundus, seja sincero com você mesmo sobre estar disposto a passar por tudo isso a cada seis meses. Caso esse não seja seu perfil, procure por cursos Erasmus em que a mobilidade é feita só uma vez durante o curso ou opte por outros mestrados na Europa (até porque bolsa é o que não falta, né, povo!).

 

5 – A bolsa Erasmus Mundus cobre todos os gastos, mas…

A Bolsa Erasmus Mundus para brasileiros cobre todas as despesas de taxas, moradia, passagens e seguro saúde. No entanto, os bolsistas brasileiros alertam que você deve ir começando a economizar para fazer esse intercâmbio.  As bolsas só são pagas quando você chega na Europa, sendo assim você precisa arcar com os custos iniciais de passagem, moradia e alimentação para ser reembolsado depois. A Tainá Louven, bolsista do programa Choreomundus, alerta ainda para uma coisa bem importante: a bolsa é a mesma para todos os destinos. No caso dela, a quantia mensal paga dá e sobra para viver na Hungria (primeiro ano do curso), mas ela sabe que a coisa vai apertar quando ela for fazer a mobilidade em Londres, na Inglaterra, onde o custo de vida é bem mais alto.

Já a Luísa, bolsista do EPOG, contou que, às vezes nem tudo funciona como deveria. No caso dela, houve diversos problemas no pagamento das primeiras parcelas da bolsa que eram para ser usadas para reembolso da passagem e custos de instalação.   O Henrique também tomou um susto ao chegar em Birmingham, na Inglaterra, e se deparar com o fato de que a Universidade oferecia moradia estudantil para os alunos, mas alunos não europeus precisariam pagar seis meses de aluguel (em libras!) antes mesmo de chegar na Inglaterra.

Veja as bolsas

As bolsas Erasmus Mundus abrem todos os anos?

O programa de bolsas para mestrado do Erasmus Mundus abre todos os anos. No entanto, de um ano para outro os cursos que têm financiamento para as bolsas completas podem variar. Em geral, nos sites dos programas, vocês podem ver de quando a quando o financiamento daquelas bolsas estão garantidos. Então, se um curso abriu com bolsa em um ano não necessariamente significa que ano que vem ele vai ter bolsa também. O 4Cities, por exemplo, não tinha bolsa no ano que a Sloane aplicou, mas teve edital de bolsa agora em 2019. Mas como ela explicou no vídeo, nos últimos dois semestres, os alunos sem bolsa completa se mobilizaram para receber bolsas de mobilidade do Erasmus+ com uma ajuda de custo em torno de 300 euros por mês, o que já ajuda bastante. Então, vale sempre perguntar para a coordenação do curso pelo qual você se interessa, se bolsas menores, como essa estão disponíveis.

Brasileiros do Erasmus Mundus que entrevistamos

luisa guerra erasmus mundus bolsa mestrado em economia partiu intercambio epog

 

Luisa Guerra tem 25 anos e é formada em Economia na UFRJ. Luisa tem bolsa do programa Erasmus Mundus em Economic Policies in the age of Globalisation (EPOG). O mestrado da Luisa foca em Macroeconomia e Desenvolvimento. O primeiro semestre foi em Berlim, na Hochschule fur Wirtschaft und Recht Berlin, o segundo semestre foi em Joanesburgo, na Wits University, o terceiro semestre na Université Paris 13 (que é a universidade sede do programa). Atualmente ela está em Paris onde vai fazer a dissertação do mestrado.

 

thaina louven choreomundus erasmus mundus mestrado bolsa partiu intercambio

 

 

Tainá Louven tem 28 anos e é bolsista no programa Choreomundus, o mestrado em dança do programa Erasmus Mundus. Tainá tem graduação em Artes Cênicas na UNIRIO, graduação em Comunicação Social na UFRJ, mestrado em Artes Cênicas na UNIRIO. Ela iniciou o curso em setembro de 2018 e deve concluir em setembro de 2020.

 

 

 

henrique freire bolsa erasmus mundus mestrado The Photonic Integrated Circuits, Sensors and NETworks PIXNET partiu intercambio

 

Henrique Freire Santana é engenheiro eletrônico formado na UFPB. Henrique tem 27 anos e tem bolsa do programa Ersmus Mundus para o mestrado The Photonic Integrated Circuits, Sensors and NETworks (PIXNET). Ele iniciou o curso em setembro de 2018 e deve concluir em setembro de 2020.

 

 

erasmus mundus 4cities sloane pretto partiu intercambio

 

Sloane Pretto é formada em Arquitetura pela UFRGS, em Porto Alegre. Sloane está no último semestre do mestrado Erasmus Mundus 4Cities em Estudos Urbanos.

 

 

 

Todas as bolsas

Ah, toda terça-feira tem vídeo novo no nosso canal no YouTubeAssina aí pra não perder nadinha. A gente também está no Instagram, no Flipboard e no Twitter. Nesses canais, eu falo mais sobre como ganhar bolsa para fazer intercâmbio, como fazer carta de motivação e mais um monte de coisas. Obviamente, eu também respondo dúvidas. Só deixar elas aqui nos comentários do post. Já quem quer receber e-mail alertando de novas bolsas pode se inscrever na nossa newsletter 🙂

Precisa de ajuda na candidatura?

Se você quer fazer pós-graduação no Exterior mas tá completamente perdido e precisa de ajuda, dá pra falar com o Partiu Intercâmbio. Sim, a gente presta consultoria ajudando quem quer fazer pós-graduação no Exterior com cartas de motivação e de recomendação, ajuda para preencher application, escolha das universidades, ajuda na busca por possíveis bolsas e tudo mais. Se você tiver interesse, é só colocar seus dados nesta planilha que a gente faz um orçamento sem compromisso.

COMENTÁRIOS

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.