EMMIR: mestrado em migração do programa Erasmus | Partiu Intercâmbio

O programa Erasmus oferece diversas bolsas para fazer mestrado na Europa nas mais diversas áreas. Umas das mais bacanas talvez seja a bolsa para o curso EMMIR –  European Master in Migration and Intercultural Relations – para o mestrado em migração e relações interculturais. As inscrições abrem todos os anos (ou quase, porque a gente nunca tem como garantir, né) e os selecionados estudam em pelo menos três universidades diferentes. A Renata Campielo é formada em Direito e Relações Internacionais e é uma das bolsistas brasileiras do mestrado do programa Erasmus Mundus.

Bolsas Erasmus

Ela começou o curso em 2017 e deve se formar em agosto de 2019. A Renata passou pela Alemanha, Noruega e estava na África do Sul quando conversou com a gente por e-mail para contar tudo que vocês precisam saber antes de se inscrever para o programa EMMIR. Confiram.

emmir mestrado em migracao erasmus renata campielo

Renata com os colegas em um curso na República Checa

Porque  fazer o mestrado EMMIR em migração?

Renata- Eu já trabalho com migração há muitos anos. Seja com estágios e extensão durante a graduação ou depois de formada. Por isso, eu tinha certeza de que gostaria de me especializar nessa área. Me candidatei para vários mestrados que abordavam o tema de formas diferentes (direito internacional, direito migratório, migração e políticas públicas, migração e interculturalidade) e fui selecionada para três. Optei pelo EMMIR pelo fato que o curso é nômade. Isso te permite uma imersão em diferentes países (pelo menos três), nos idiomas e também na realidade migratória de cada um. Além do mais, ao passar por três universidades, você se expõe a variados métodos de ensino/pesquisa, conhece diferentes projetos na sua área e cria uma rede de contatos bem ampla.

Como foi o processo de application do EMMIR?

Renata – O processo de seleção para o EMMIR ocorreu mais ou menos na mesma época que os outros. Seguindo fielmente as instruções do site, eu preparei a documentação tendo em vista aquele programa em particular. Levei cerca de duas semanas me candidatando para o EMMIR, mas já tinha meu currículo, certificados traduzidos e tudo mais. Sempre acho a carta de motivação a parte mais difícil do application. É o espaço para você ser autêntico e demonstrar porque merece tal oportunidade – isso tudo sem soar arrogante. Para o EMMIR, não tive entrevista.

>>>Bolsa para mestrado em ajuda humanitária do Erasmus na Europa

Qual o perfil dos selecionados e bolsistas do EMMIR?

– Renata: Sendo um curso multidisciplinar, não existe um perfil restrito. Os estudantes vêm de todas as partes do mundo, com variados backgrounds. Contudo, todos tem em comum o interesse pela temática migratória. Os bolsistas do EMMIR tendem a ter experiência acadêmica e/ou profissional na área.

>>> Como fazer um personal statement que ganha bolsa de estudos

Como funciona a parte nômade do EMMIR?

– Renata: mudamos três vezes de universidade, mais uma vez para o estágio obrigatório e uma quinta vez para escrever a dissertação. Isso não significa necessariamente cinco países diferentes, mas significa muita mala pra fazer. Como é isso pra ti pessoalmente? Eu estou acostumada, já estava em um ritmo parecido desde antes do EMMIR. Adoro a novidade de estar em um país novo e descobrir as coisas com mais profundidade que faria se fosse apenas turista. Contudo, é bastante cansativo. A cada cinco meses, temos que buscar casa nova, fazer malas, ver passagens…

emmir mestrado em migração bolsa erasmus mundus renata campielo

Renata com os colegas do curso EMMIR em Stavanger, na Noruega

A universidade ajuda na hora de procurar lugar pra morar ou é aquele desespero a cada seis meses?

– Renata: É desespero, mesmo com ajuda deles. Ahaha Os escritórios de cada universidade compartilham informações sobre onde buscar acomodação, o que fazer, o que evitar etc. Também nos dão a opção de se candidatar à moradia estudantil (o que não significa que vamos conseguir). Contudo, a responsabilidade é integral do estudante de resolver a burocracia e a logística da mudança, por mais gentis que sejam os funcionários do EMMIR. Anedota pessoal: estou em batalha com dois landlords no momento, um se recusa a devolver a caução e outro a prover certas condições como acertado no contrato. Faz parte.

Qual a coisa mais valiosa do EMMIR e pra quem você recomenda o curso?

– Renata:  O aprendizado com os colegas e a imersão nos países onde moramos é o mais valioso. O curso é bom para quem tem interesse na temática migratória, sobretudo a partir de um ponto de vista de análise micro ou antropológica. Eu, que sou o oposto e me interesso por uma visão mais macro/sistema/políticas, às vezes sofro para atender meus interesses de pesquisa.

Qual foi a universidade mais legal durante teu mestrado Erasmus e por quê?

– Renata:  A Wits, em Johannesburg. Estou aqui nesse semestre, e sinto uma grande diferença. A universidade tem muito mais vida do que Oldenburg e Stavanger. Na Alemanha e Noruega, o campus estava sempre vazio e o protagonismo estudantil era muito tímido. Aqui tem eventos todos os dias, é até difícil acompanhar tudo. Acho bacana de observar que a universidade em país “em desenvolvimento” é superior às universidades dos países “desenvolvidos”.

>>> Estudar na Alemanha é barato só você que não sabe

Como é a vida se mudando a cada seis meses com o programa Erasmus?

– Renata: Dá tempo de fazer amigos e aproveitar! As universidades têm atividades para alunos internacionais e a partir daí fica mais fácil de se envolver na vida estudantil. O ritmo do mestrado EMMIR em geral é puxado, principalmente com a carga de leitura alta. A maioria das avaliações são artigos (4000 palavras) e apresentações em classe. Contudo, a distribuição não é homogênea – tem épocas mais tranquilas que permitem liberdade para viajar ou se dedicar a outros projetos.

Quem não tem bolsa Erasmus consegue trabalhar durante o mestrado?

– Renata: Tenho colegas que trabalharam na Alemanha e outros na Noruega durante o mestrado EMMIR. Outros utilizaram o verão para isso. Mesmo quem não tem a bolsa completa desde o início pode se candidatar a pequenos auxílios para a mobilidade junto à Universidade de Oldenburg.

>>> Fui aceito sem bolsa. E agora?

Qual a dica para quem quer se inscrever no EMMIR?

– Renata: Leia bastante sobre o que o programa EMMIR oferece e exige. Os alunos do meu cohort fizeram um blog compartilhando nossas experiências no EMMIR. Leiam e pack light!!!!!

 

Meu muito obrigada pra Renata e caso vocês tenham interesse em ler o edital da bolsa EMMIR do programa Erasmus para fazer mestrado em migração e relações interculturais, ele tá no buscador do Partiu Intercâmbio e as inscrições abrem geralmente no segundo semestre e encerram em dezembro.

Todas as bolsas

Ah, toda terça-feira tem vídeo novo no nosso canal no YouTubeAssina aí pra não perder nadinha. A gente também está no Instagram, no Flipboard e no Twitter. Nesses canais, eu falo mais sobre como ganhar bolsa para fazer intercâmbio, como fazer carta de motivação e mais um monte de coisas. Obviamente, eu também respondo dúvidas. Só deixar elas aqui nos comentários do post. Já quem quer receber e-mail alertando de novas bolsas pode se inscrever na nossa newsletter. Quem tiver dúvidas, pode entrar no grupo do Partiu Intercâmbio no Facebook e postar por lá que a gente responde. Já pra saber mais sobre a Bruna e o Partiu Intercâmbio é só acessar esse post.

COMENTÁRIOS

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *