Tenho notas ruins e quero fazer intercâmbio com bolsa de estudos. Rola?

Se você tem notas ruins mas quer fazer intercâmbio ou até tentar uma bolsa de estudos no Exterior, não se desespere. No vídeo da semana, dou dicas sobre como compensar o desempenho acadêmico baixo e outras soluções para quem quer estudar fora, mas não era o típico aluno nota 10.

toda terça tem vídeo novo no nosso YouTube e também estamos no Instagram.

Todas as bolsas abertas

Tente deixar as notas ruins no passado

Não tem como apagar notas ruins e um baixo desempenho acadêmico do seu currículo. Então, não adianta chorar pelo leite derramado. As notas ruins não vão se apagar, mas se você se deu conta disso no meio da faculdade (ou da escola) a dica é uma só: a partir de agora, se esforce para manter uma boa média. Isso não quer dizer que você precise magicamente virar um bom aluno em matérias nas quais você nunca foi bom, mas demonstre interesse, peça ajuda e tente, pelo menos, passar em tudo.

>> Inglês fluente sem intercâmbio: tem como?

 

Notas ruins acabam com minhas chances de bolsa de estudos?

Assim, vamos combinar que ter boas notas e um desempenho acadêmico excelente nunca prejudicou ninguém. No entanto, é importante ressaltar que processos de seleção geralmente não olham para as suas notas isoladamente e também não pegam seu histórico escolar para olhar nota por nota. Além disso, é sempre importante ver qual o seu desempenho em relação a sua turma. Em cursos ou escolas mais puxadas, pode ser que a média geral seja mais baixa o que não necessariamente significa que você seja um aluno ruim. Pra quem terminou a graduação, as universidades sempre emitem um documento oficial dizendo qual sua média final e também qual sua classificação entre os formandos.

Eu, por exemplo, quando me graduei em jornalismo não fiquei nem no top 10 da turma! Duas pessoas foram laureadas (tiraram as melhores notas e terminaram o curso em quatro anos) na minha turma. Isso me impediu de concorrer pra bolsas de estudos? Não. As minhas notas eram ruins? também não, minha média era algo por volta de 8,2. O que não é uma nota assim SUPER MARAVILHOSA, mas que também não desempenho ruim. Mas sempre que sua média não for aquela lindeza

>>> Como fazer pós-graduação no Exterior

 

Calibre suas expectativas

Se seu objetivo é uma bolsa para fazer pós-graduação fora, é bom saber de antemão que algumas universidades têm processos de seleção hipercompetitivos, então, nestes processos apresentar bom desempenho acadêmico, ou seja, boas notas, é o mínimo. Aqueles grandes nomes como Harvard, Oxford, Cambridge, Yale ou Stanford exigem, sim, boas notas e todos os candidatos vão apresentar, no mínimo, o histórico escolar muito bom. Neste ponto, é importante analisar bem sua trajetória e identificar pontos fortes em que possa se destacar no processo seletivo. Além disso, é importante se perguntar também se ão vale a pena escolher outras universidade menores que tenham mais a ver com você.

>> Brasileira aprovada em Yale dá dicas para estudar lá

 

Não entre nessa do “não sou bom em nada”

Não ser bom em uma área específica não significa que você não é bom em nada, né? Menos drama, gente. Tente compensar suas notas ruins nas matérias que você tem dificuldade, como as temidas Física, Matemática ou Estatística, sendo ótimo em outras coisas. E se você não consegue ir bem nas matérias, então, você também pode ser um ótimo atleta, um músico incrível ou um empreendedor nato. Quem entra na disputa por uma bolsa com a mentalidade do ‘eu não sou bom em nada’ só porque tem notas ruins certamente vai deixar isso transparecer no application e… supresa… não vai conseguir ser aprovado.

>>> Como fazer doutorado no Exterior

Arrase nas atividades extracurriculares

Um bom application não é feito somente de boas notas. Jamais esqueça disto! Um bom application conta uma história e uma trajetória que fazem sentido. Seja esperto e conte sua história na sua carta de motivação de uma maneira de destaque suas atividades extracurriculares como projetos sociais, esportes e outros projetos pessoais feitos dentro e fora de sala de aula.  Por favor, não seja a pessoa que coloca trabalho voluntário de um fim de semana no currículo, tá? Trabalho voluntário só vale se for feito de uma maneira comprometida ao longo de um período considerável da sua vida. Já que você não levou as notas a sério (ou não conseguiu boas notas por qualquer outra dificuldade), mostre que você é uma pessoa comprometida e que leva outras coisas a sério.

>>> Como se planejar para fazer mestrado em Portugal

Atividades como praticar de esportes, estudar de idiomas, olimpíadas científicas, simulações da ONU, trabalhos voluntários, organizar atividades acadêmicas na sua universidade. Outra coisa, se seu histórico não é lá essa maravilha, apresente uma prova de proficiência com um notão 🙂 e sério, não tenha medo de falar de forma aberta sobre as limitações e dificuldades que você encontrou na sua vida acadêmica  e como você superou esses obstáculos. Ser alguém que batalhou muito pra chegar onde está é algo que é bastante valorizado por universidades que buscam perfis mais diversos.  Só cuidado com COMO você conta essa história na sua motivação para não cair no tom dramático ou querendo dar desculpas. Todo mundo passa por problemas, o importante é mostrar que você é diferente na hora de enfrentá-los.

Veja todas as bolsas

Ah, toda terça-feira tem vídeo novo no nosso canal no YouTubeAssina aí pra não perder nadinha. A gente também está no Instagram, no Flipboard e no Twitter. Nesses canais, eu falo mais sobre como ganhar bolsa para fazer intercâmbio, como fazer carta de motivação e mais um monte de coisas. Obviamente, eu também respondo dúvidas. Só deixar elas aqui nos comentários do post 🙂

COMENTÁRIOS

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *