Mestrado na França: veja dicas de brasileira para estudar por lá

Início » Guias » Mestrado na França: veja dicas de uma brasileira para quem quer estudar por lá

Mestrado na França é o sonho de muitos brasileiros. A jornalista Lara Mizoguchi, de Porto Alegre, conseguiu realizar esse sonho e fez tudo com pouquíssimo tempo de planejamento. O ideal sempre é fazer tudo com, pelo menos, uns seis meses de antecedência, mas a Lara é a prova de que quando você está disposto mesmo, vai dar trabalho e correria, mas tem como fazer acontecer. A Lara está em Bordeaux desde setembro de 2017 e contou para vocês tudo sobre como se organizar e como é fazer mestrado na França. Confere aí:

como fazer mestrado na franca lara hausen mizoguchi

“Há bastante tempo pensava em fazer um mestrado. Tentei uma vez, na Universidade Federal Fluminense, há alguns anos, sem me preparar muito. Só que, apesar de surpreendentemente ter sido aprovada na prova, rodei no currículo. Não tinha publicações suficientes para entrar em um mestrado. Acabei deixando a ideia de lado. Embora nunca mais tenha me planejado para fazer um mestrado de novo, a ideia nunca saiu da minha cabeça. Junto a isso, continuava com a ideia de voltar a morar fora do Brasil – já tinha passado um ano em Barcelona há dez anos – e queria ter essa experiência de novo.

Há quase quatro anos, conheci meu namorado – um francês de Bordeaux. Ele morava no Rio, assim como eu. O Rio é uma cidade maravilhosa só no discurso. Na realidade, é dura. Consegui me adaptar, mas sabia que a vida ali não seria pra sempre. Muita gente, muito carro, muita coisa acontecendo. Não era o que queríamos. Gui e eu começamos a pensar para onde poderíamos ir. E, claro, cursar um mestrado na França começou a parecer uma ideia (bastante) atrativa.

Campus France: o aliado de quem quer fazer mestrado na França 

Um dia, resolvemos ir ao consulado pegar informações sobre vistos e aproveitamos para ir ao atendimento do Campus France  para tirar algumas dúvidas. Era uma quarta-feira, início de março. Se eu quisesse tentar um mestrado na França ainda em 2017, precisava correr: as inscrições iam até sexta. Ou seja, eu tinha dois dias para agilizar tudo. E aí, contei com MUITA ajuda da minha mãe, que correu atrás de documentos na minha casa em Porto Alegre, e me enviou.

>> Como conseguir uma bolsa para estudar na França
>>> Veja bolsas para fazer intercâmbio na França
>>> Como validar diploma do Exterior no Brasil depois de um intercâmbio

O sistema para que estrangeiros entrem em uma universidade francesa é bem simples. O Campus France é uma plataforma onde você vai incluindo os documentos pedidos: passaporte, comprovante de residência, atestado de nível de francês – o nível solicitado varia de acordo com o curso e a universidade – diplomas, currículo, histórico escolar – tudo com tradução juramentada, é bom ressaltar. Você também deve incluir cartas de recomendação e de motivação.

No caso de fazer mestrado na França, eu poderia escolher até 15 cursos espalhados pelo país. Só que aí veio o meu primeiro problema: o curso que eu queria, provavelmente por ser novo, não estava disponível na plataforma. Para que eu não perdesse o prazo de inscrição – eu deveria submeter o meu dossiê até sexta-feira, mas poderia alterá-lo depois -, acabei escolhendo meio aleatoriamente outros quatro cursos – lembrem-se de que eu tinha dois dias para fazer tudo. Então, acabei olhando por cima e escolhendo cursos parecidos, em outras universidades. Assim, meu dossiê estaria salvo e, quando o mestrado que eu queria aparecesse, eu poderia incluí-lo. Paralelamente, telefonamos para a professora coordenadora do mestrado na Universidade, que entrou em contato com o Ministério da Educação, que incluiu o curso na plataforma. No início da semana seguinte, o curso estava lá, consegui incluir as traduções juramentadas, as cartas de recomendação. Meu dossiê estava completo.

 

Provas de proficiência para fazer mestrado na França

Comecei a fazer aulas particulares de francês para passar na prova – o ideal é ter o DELF, mas, como fiz tudo correndo, perdi a data de inscrição. Acabei fazendo o TCF-TP, que também é aceito, mas tem validade de apenas dois anos.

Sobre a prova, não sei se é sempre assim, mas, no meu caso, a ordem foi: Expressão Oral, Compreensão Oral, Gramática + Compreensão Escrita, Produção Escrita. A Expressão Oral dura uns 15 minutos e é dividida em três partes: uma apresentação, um momento em que você estabelece um diálogo com o/a examinador/a, e, no fim, você argumenta sobre um determinado assunto.

Já para a Produção Escrita, você deve fazer três textos de diferentes tamanhos (imagino que seja porque é uma prova para todos os níveis – a partir do teu score, eles te colocam em um nível), em um tempo apertadíssimo. Saí da prova um minuto antes do fim – e, por sorte, a professora tinha avisado que não aconselhava usar as folhas de rascunho, pois não daria tempo.

Assim que recebi a nota do TCF-TP – B2, justamente o que eu precisava -, escrevi para a Universidade de Bordeaux Montaigne – a que eu realmente queria – perguntando sobre a resposta e, poucos dias depois, recebi um e-mail: tinha sido aprovada para os dois mestrados que tinha selecionado. Eu tinha que escolher um para que eles validassem na plataforma Campus France. Respondi que queria Études Culturelles – Langues, Lettres, Arts e, então, a ficha começou a cair. Iria realizar dois sonhos: de fazer um mestrado na França e de voltar a morar fora do Brasil.

como fazer mestrado na franca lara hausen mizoguchi

>>>Campus France oferece bolsas de mestrado e doutorado na França
>>> Veja todas as bolsas para estudar na França
>>> Bolsa para fazer mestrado em Paris recebe inscrições

Visto de estudante para fazer mestrado na França 

Com  todos os documentos necessários, faltava apenas uma carta de residência dos primeiros três meses na França. Caso você vá ficar hospedado na casa de alguém, é preciso ter uma “carta de hospedagem”. É um processo que deve ser feito na Prefeitura de onde você vai viver e que o prefeito precisa assinar para ser válido. Isso demora um pouco.

No entanto, é preciso ficar ligado, pois, em julho, quando as aprovações começam a chegar, as datas para a entrega de documentos no Consulado Francês vão ficando escassas e, para não perder tempo, resolvi marcar uma aleatória. No fim, deu tudo certo, e estava com a documentação completa a data prevista.

Junto com a carta, é preciso ter um comprovante de idoneidade financeira, fornecida pelo banco, cópia das últimas folhas de pagamento, Imposto de Renda, carta de aprovação de mestrado. Se alguém for bancar sua estada na França, essa pessoa precisa fazer uma declaração informando isso. Eles pedem que você entre com o pedido de visto no máximo dois meses antes da data da viagem. E o processo demora, em média, um mês.

Muita gente que estuda, também trabalha.  O visto de estudante universitário dá o direito de trabalhar meio período legalmente. Acho que é possível conciliar, e estou conseguindo. Na minha turma, tem gente que não frequenta as aulas ou sai mais cedo para ir para o trabalho.

 

Como é fazer mestrado na França 

As universidades francesas são públicas, então os estudantes pagam apenas a matrícula, 270 euros por um ano. Após fazer a matrícula e entregar os documentos na universidade, tive a Reunion de Rentrée, o momento em que a coordenadora do curso passa todas as informações. Tenho três matérias obrigatórias e escolhi outras três dentre as opções oferecidas – são quatro eixos de ensino, e cada aluno deve fazer uma matéria de cada eixo, sendo um já abrigado pela disciplina obrigatória. A escolha das disciplinas se chama matrícula pedagógica. Todas as aulas são presenciais, mas, pelo que entendi, tem gente que trabalha e não precisa frequentar, mas não sei exatamente como isso funciona. Como o mestrado é recente – esse é o segundo ano – a turma é pequena. Dos que assistem às aulas, somos pouco mais de 10 alunos.

No início do mestrado deu uma pequena confusão com a data de início. Prevista, inicialmente para a semana de 11 de setembro, na reunião a professora comentou que seria no dia 18. Temos um hyperplanning que mostra as atividades da semana. Algumas cadeiras apareceram na semana do dia 11 e, claro, muita gente foi para a aula e deu com a cara da porta. Ou seja, não é SÓ NO BRASIL…

Na maioria das disciplinas que faço, a avaliação se dá por meio de dossiês com estudos de caso. Temos que escolher um tema e escrever sobre, associando, claro, ao que foi exposto em aula. Outro tipo de avaliação é por meio de prova oral, em que é preciso explicar um tema sorteado na hora para o/a professor/a.

 

E como é estudar em francês 

Minhas aulas são praticamente todas em Francês, e duas deveriam ser em Inglês – uma delas acabou sendo também em Francês. A língua ainda é uma pequena barreira para mim. Em algumas aulas, consigo entender tudo, em outras, me perco um pouco. O curso acaba sendo um pouco cansativo por isso: se não estou 100% concentrada, acabo não entendendo algo. Mas meus colegas compartilham anotações e me explicam se me perdi em algo. Além disso, estou fazendo aulas de Francês na Universidade – o valor da inscrição, achei curioso, é praticamente o mesmo da matrícula do Mestrado: 260 euros – válido por um semestre.

Acho que os alunos precisam estudar bastante em casa para acompanhar o ritmo do curso. Uma professora comentou que o ideal é calcular o dobro de horas que se tem no mestrado. No meu caso, tenho 12 horas por semana – mas significa que devo me dedicar umas 24 horas semanais ao mestrado.  Por aqui, vários mestrados possuem as mesmas disciplinas. Ou seja, dentre as optativas, temos estudantes de outros cursos. É interessante porque a troca é maior.

Outra diferença é que há muitos professores que lêem nas aulas. Ou eles têm um texto que vão acompanhando ou, em alguns casos, têm os principais pontos anotados. É claro que rola interação entre alunos e professores, mas eles se guiam pelas anotações. Não lembro disso no Brasil e nunca fiz mestrado lá, então pode ser que isso seja viagem minha.

 

A vida universitária na França

Aqui eles valorizam muito os esportes. Tem uma quantidade enorme de opções de esportes. A Universidade ainda tem uma piscina que está fechada para manutenção. Uma pena. Mas entre as atividades propostas, tem surf – Bordeaux fica a 40 minutos de uma praia com boas ondas –, kitesurf e snowboard. Essas atividades acontecem durante uma tarde ou, em alguns casos, durante um fim de semana. Para ter direito a participar, o estudante deve pagar 18 euros e tem direito a frequentar quantas atividades esportivas quiser, por um ano. Para atividades que envolvem viagens, é preciso pagar um pouco mais. Mas é pouco. E, quem quiser, pode pagar mais 7 euros e ter direito às atividades culturais, entre elas, a batucada e oficinas de ukelelê. Assim como para o esporte, para quem quer ter apenas as atividades culturais, deve pagar 18 euros. 

A vida no campus é bem agitada. Sempre tem festivais e eventos. Há vários seminários – para terem uma ideia, em três semanas de curso, já não tive aula em dois dias pois indicaram eventos para frequentarmos.

 

Como é viver em Bordeaux?

como fazer mestrado na frança partiu intercambio

Realmente, a vida bordelaise é bem tranquila, mas com várias opções de diversão. Sempre tem festivais acontecendo. As bicicletas estão por todos os lugares – é nosso meio de transporte também à noite, pois o tram vai só até 1h30. Aliás, aqui temos três linhas de tram (é o VLT carioca) e estão construindo a quarta. Além disso, os ônibus, em sua maioria são pontuais e, nos pontos, há a indicação de quanto tempo falta para ele passar. Sei de ao menos uma linha que está saturada e, por isso, sempre atrasada – fila para pessoas subirem gera demora para se deslocar.

A cidade é bem linda (o centro é Patrimônio da Humanidade pela UNESCO) e foi escolhida o destino de 2017 pelo Lonely Planet. Além disso, fica perto da praia e da montanha. Estar perto da natureza foi um dos principais fatores que nos fez decidir vir morar aqui. Assim não sentiríamos tanta falta de viver a 15 minutos de uma floresta e das cachoeiras cariocas.

Embora já bem habituada à essa nova vida, ainda estou chegando na França. Ter a família do meu namorado e os amigos dele por perto certamente contribuiu para que a adaptação fosse tranquila. Em praticamente todos os eventos (aniversários, festas, almoços), sou a única “não-francesa” – o que faz com que eu experiencie bem a fundo a cultura. E eu estou adorando!” 

 

Bolsas de pós-graduação na França para latino-americanos
>>> Programa do governo dá bolsas de mestrado e doutorado na França
>>> O que precisa para estudar na Europa?

 

Ah, toda terça-feira tem vídeo novo no nosso canal no YouTubeAssina aí pra não perder nadinha. A gente também está no Instagram, no Flipboard e no Twitter. Nesses canais, eu falo mais sobre como ganhar bolsa para fazer intercâmbio, como fazer carta de motivação e mais um monte de coisas. Obviamente, eu também respondo dúvidas. Só deixar elas aqui nos comentários do post 🙂

COMENTÁRIOS

Uma resposta para “Mestrado na França: veja dicas de uma brasileira para quem quer estudar por lá”

  1. Juliana T disse:

    Ai menina, eu li o seu relato com os olhinhos brilhando! Estou fazendo uma segunda graduação (Rel. Internacionais) e pretendo investir em um mestrado no exterior, algo que sempre foi meu sonho mas não foi possível realizar na minha anterior carreira em decorrência de ter obtido um coeficiente ruim na universidade naquela época…
    A área de estudos de ciências sociais/políticas é forte na França, e somado aos baixíssimos preços do curso e o sonho de morar aí me dá mais ânimo para me preparar e conseguir essa vaga!
    parabéns pela conquista!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *