Intercâmbio na faculdade: um relato sobre um semestre na Espanha

Início » Relatos de intercambistas » Intercâmbio na faculdade: um relato sobre um semestre na Espanha
Nyrlene na Universidade em Madri

Nyrlene na Universidade em Madri

 

Um monte de gente vive me escrevendo para perguntar se vale a pena “perder” um semestre para fazer intercâmbio na faculdade. Na minha humilde opinião, SIM, CLARO! Já comentei que obviamente, esse tipo de intercâmbio é bem mais proveitoso quando você já tem um conhecimento prévio da língua, mas também não é impossível ir fazer um ou dois semestres fora para aprender o idioma do lugar. Nessa semana, recebi o email da Nyrlene Pamplona, ela tem 32 anos, e no primeiro semestre de 2014 fez um intercâmbio de um semestre em Madri, na Espanha. A Nyrlene estuda jornalismo em Manaus, mas é natural de Belém. Como ela está à procura de uma bolsa para fazer mestrado fora, veio parar aqui no Partiu e resolveu contar sobre a experiência dela no Exterior pra vocês. Dá uma olhadinha no relato dela sobre o semestre de intercâmbio na faculdade em Madri, na Espanha e quem sabe você aí se anima para também fazer isso.

“Em meados de 2013 minha faculdade abriu seleção para o intercâmbio, a Uninorte é da rede Laureate e a oportunidade era pra estudar um semestre em uma universidade da rede fora do país. Podíamos escolher em qual, desde que tivesse o nosso curso. Eu escolhi a Universidad Europea de Madrid – UEM. Foram selecionados dois alunos. A outra menina selecionada teve bolsa. Eu não tive, apenas uma ajuda eu arquei com a passagem, alojamento e alimentação, no restante eu não tive custo.

>>> Leia mais relatos de quem já fez intercâmbio
>>> Leia mais sobre a Espanha

Os critérios principais para a seleção foram o coeficiente acadêmico, saber falar outro idioma, ter passaporte e não estar nem no primeiro ou último semestre. A própria universidade deu todas as instruções para os trâmites burocráticos, tivemos o segundo semestre de 2013 para providenciar tudo, inclusive as disciplinas a cursar foi a própria universidade que listou juntamente com a universidade em Madri. Quando chegou minha carta de aceitação foi uma alegria só, aí que eu acreditei que iria fazer o intercâmbio.

Clipboard01

Fiz o intercâmbio no primeiro semestre de 2014. No modelo europeu cursei dois trimestres. Ao chegar em Madri fui até ao escritório internacional da universidade me apresentar. Eles foram muito atenciosos e me explicaram tudo sobre a universidade, o sistema de ensino e outras coisas importantes, afinal eu estava em outro país com uma cultura diferente da minha e tinha que entender muito bem como funcionava tudo. Confesso que não tive problemas de adaptação, embora eu tenha chegado lá com um frio de -2°. As pessoas são simpáticas e quando eu dizia que era brasileira as elas abriam um sorriso enorme. Os professores também foram muito atenciosos, mas cobravam de mim da mesma maneira que cobravam dos alunos espanhóis. Antes eu não falava espanhol fluente, eu sabia o essencial. Esse conhecimento prévio do idioma foi muito importante para o meu aprendizado lá, pois não podia perder tempo em aprender a língua, já que é muito conteúdo para aprender e eu tinha que ser aprovada em todas as disciplinas para ficar bonito no meu histórico escolar.

Gravando passagem UEM

Cursei seis disciplinas, entre teóricas e práticas, sendo três em cada trimestre. Simplesmente eu fiquei encantada com toda a universidade, aprendi muito, acadêmica e pessoalmente, aprendi falar fluente o espanhol e de “quebra” aperfeiçoei o inglês, já que conheci muitas pessoas de outros países e para me comunicar com elas tinha que ser em inglês. Por o curso de jornalismo ser bem prático, produzi bastante material, principalmente de tv, e ainda aproveitei para o meu TCC. Aproveitei também e fiz bons contatos profissionais. A experiência do intercâmbio foi incrível, superou minhas expectativas, aprendi, vivi, conheci e me fez mais feliz, pois descobri que tudo é possível se tiver um esforço e vontade de fazer acontecer. Agora me preparo para o mestrado. O importante é tentar e, se por algum motivo não conseguir, tem que correr atrás e suprir o critério não alcançado. Não tem que tentar pra passar, tem que tentar até passar. Tive a sorte de conseguir na primeira vez que tentei uma vaga, mas eu só consegui justamente porque tentei.”

>>> Entenda como funciona a mobilidade acadêmica
>>> Veja bolsas para estudar na Espanha
>>> Veja bolsas para fazer intercâmbio na faculdade

Ah, toda terça-feira tem vídeo novo no nosso canal no YouTubeAssina aí pra não perder nadinha. Lá eu falo mais sobre como ganhar bolsa para fazer intercâmbio, como fazer carta de motivação e mais um monte de coisas. Obviamente, eu também respondo dúvidas. Só deixar elas aqui nos comentários do post 🙂

 

 

COMENTÁRIOS

6 respostas para “Intercâmbio na faculdade: um relato sobre um semestre na Espanha”

  1. Sarah M disse:

    Eu vou entrar para o IBMR-Laureate aqui no Rio de Janeiro com bolsa integral pelo Prouni. Eu não sei ainda se aqui eles selecionam também apenas duas pessoas. Mas imagino que bolsistas do Prouni tenham direito e paguem a mesma coisa, né? Vou fazer Psicologia estou muito ansiosa e espero poder ir pra UEM.

  2. Carla Campos disse:

    Tive o prazer de estudar nessa universidade. Simplesmente foi um sonho,tive que voltar pro Brasil por ser meu último ano do curso de pp,mas com certeza vou ver se consigo voltar a estudar nela. Foi um desafio,por que eu não sabia nada de espanhol e tive que aprender ” na marra” mas valeu cada segundo de preocupação, e todas as madrugadas que fiquei acordada estudando. Hoje vejo que meu lugar é aí, em Villaviciosa de Odón.

  3. Ana Flávia Araújo de Aguiar disse:

    “Não tem que tentar pra passar, tem que tentar até passar.”
    Frase bem inspiradora, parabéns pela oportunidade.

  4. Fernanda Alves Vieira disse:

    Como faço para participar. Tenho muito interessa.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *